Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Pantanal perde 13% das matas em 15 anos
Início do conteúdo da página

Pantanal perde 13% das matas em 15 anos

Escrito por Reginaldo Alves | Publicado: Terça, 02 Maio 2017 14:29 | Acessos: 70

Resultados fazem parte de trabalho inédito sobre mapeamento dos biomas brasileiros

Um mapeamento sobre a cobertura vegetal do país evidencia que em 15 anos, entre 2001 e 2015, o território brasileiro perdeu 20% da sua área de manguezais, destruídos parcialmente pela expansão urbana e assoreamento de estuários.

O Pantanal, bioma brasileiro mais preservado, observa uma conversão da vegetação natural, em que o uso de pastagens naturais é alterado para pastagens plantadas com vegetação exótica – 13% da área, incluindo gramíneas e florestas, virou pasto no mesmo período. No caso do Cerrrado, as perdas foram três vezes mais elevadas em comparação com a Amazônia. O cenário é otimista quando se trata da Mata Atlântica, que passa por um período de renascimento, com um ganho de 2,5 milhões de hectares (área que corresponde quase ao território da Bélgica).

Estas informações foram apresentadas durante o MapBiomas (Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil), iniciativa do Observatório do Clima em colaboração com 18 instituições, entre universidades, ONGs e empresas de tecnologia. Os mapas, lançados no dia 28 de abril em Brasília, mostram como o território brasileiro se transformou ao longo do século XXI, com imagens de satélite que vão de 2000 a 2016.

Retrato do país

A nova série de mapas permitirá pela primeira vez o acompanhamento da ocupação do território em todos os biomas brasileiros ao mesmo tempo – hoje essa informação só está disponível para a Amazônia e Mata Atlântica e, de dois em dois anos, para o Pantanal – e calcular com maior precisão as emissões de gases de efeito estufa dele resultantes. Além disso, possibilitará saber a quantidade de florestas que está se regenerando no Brasil, informação crucial para monitorar o cumprimento das metas nacionais no acordo do clima de Paris (a NDC).

O estado campeão de regeneração foi o Paraná, que ganhou 5 mil quilômetros quadrados de mata, principalmente por recuperação de áreas de preservação permanente, como margens de rios. Mas quem ganhou mais mata em relação à área total do estado foi o Rio de Janeiro: 17,8% de florestas a mais em 2015 em comparação com 2001 (um crescimento de 10 mil para 12 mil quilômetros quadrados).

Fonte: Observatório do Clima

Imagens: Freepik

registrado em:
Assunto(s): seminario , mato grosso do sul ,
Fim do conteúdo da página