Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Focos de calor no país devem aumentar nos próximos meses
Início do conteúdo da página

Focos de calor no país devem aumentar nos próximos meses

Escrito por Reginaldo Alves | Publicado: Sexta, 07 Julho 2017 14:29 | Acessos: 285

Documento destaca alerta de incêndios para a região central do Brasil entre julho e setembro

Segundo informações do Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal (GTPCS) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), as temperaturas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste tendem a ficar acima dos valores históricos nos meses de julho, agosto e setembro. Como resultado desse cenário, há projeções relacionadas à elevação no número de focos de calor na área central do país. Clique aqui para acessar o documento. 

"Estamos na estação mais seca na maior parte do Brasil. No interior, se forma um tempo muito seco, com umidade muito baixa. Isso acontece porque a amplitude térmica é muito grande, com temperaturas muito altas durante o dia e muito baixas durante a noite. E isso favorece que aconteçam queimadas, o que ajuda a piorar a questão da umidade", diz o coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi.

Regiões mais impactadas

O documento elaborado pelo GTPCS aponta que setembro será o período de maior alerta, em virtude do prolongamento da estação seca e o baixo nível de precipitações esperados para este mês. Dentre as regiões impactadas, a seca se mantém severa no leste da região do semiárido brasileiro e a perspectiva é que as áreas afetadas não se recuperem desse quadro. Em pontos do norte do Maranhão, no centro-norte do Piauí e no centro do Ceará e de Pernambuco, já são 21 meses de estiagem.

No Norte do país, as cheias dos rios amazônicos não atingiram os níveis recordes anteriormente esperados. As cotas dos principais cursos d'água da região, como o Amazonas, o Negro e o Tapajós superaram os limites de transbordamento em algumas estações de medição, mas já começou o processo de vazante, que marca a diminuição dos volumes dos rios.

O Grupo de Trabalho em Previsão Climática Sazonal do MCTIC é formado por especialistas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), além do Inpe. Também estão presentados órgãos ligados à área de climatologia, hidrologia e desastres naturais, a exemplo da Agência Nacional de Águas (ANA), do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), da Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), entre outros.

 Fonte: MCTIC

Imagens: Freepik

 

registrado em:
Assunto(s): seminario , mato grosso do sul ,
Fim do conteúdo da página